Petição pró-Charrua

25 06 2007

Isilda Pegado, presidente da Associação Ponto de Apoio à Vitima, realizou uma petição online contra o que ela chama de “privação básica da liberdade de expressão”. A petição não se destina a nenhum órgão de soberania específico, segundo noticiou o Portugal Diário, apenas serve para alertar para os direitos fundamentais, neste caso a liberdade de expressão.
Este caso que já deu imenso que falar começou em 21 Maio de 2007, quando o professor de inglês Fernando Charrua foi suspenso de funções na Direcção Regional de Educação do Norte, por ter feito um comentário à licenciatura de José Sócrates. A directora regional afirmou nessa altura que se tinha tratado dum “insulto feito no interior da DREN durante o horário de trabalho” e que “Os funcionários públicos, que prestam serviços públicos, têm de estar acima de muitas coisas.”
Segundo o professor, o seu afastamento deveu-se a “um comentário jocoso dentro de um gabinete a um colega e retirado do anedotário nacional do caso Sócrates/independente”.

Fica aqui uma questão, foi uma anedota? Foi um insulto?

Dia 23 de Maio foram apresentadas várias versões sobre o comentário que motivou este caso. Segundo o “24 horas” e o “Correio da Manhã” o insulto terá sido: “Estamos num país de bananas governado por um filho da puta de um primeiro-ministro.
Já o “Jornal de Notícias” atribui palavras menos ofensivas ao professor, dizendo que o comentário terá sido algo do tipo: “Se tiveres o doutoramento, mesmo que falso, tens que me enviar por fax que eu resolvo o problema”. No entanto, este jornal admite que não terá sido esta a anedota que deu origem ao processo disciplinar.
O “Público” também avança que as palavras proferidas pelo professor não terão passado por ofensas pessoais mas sim por alusões á licenciatura de Sócrates: “Se precisares de um doutoramento e mais seis anos na carreira, só tens de me mandar um fax”.
O “Diário de Notícias” fala numa chalaça: “Agora quem precisar de um doutoramento, manda um certificado por fax; só se for por fax, caso contrário não vale a pena”.

Boa … e agora? O que foi dito afinal?

Sinceramente não sei, apenas me resta aguardar pelos resultados do apuramento dos factos deste processo e esperar que seja feito com o máximo rigor e isenção. Até lá não vejo necessidade da existência de petições já que este caso está longe do seu término.

Homepage Petição Pela Liberdade: “Crimes” políticos nunca mais!

Ações

Information

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: